Potengi, verás que um filho teu não foge a luta!!!

Eu sou brasileiro, filho do Nordeste, Sou cabra da Peste, sou do Ceará




Atitude Revolucionaria Socialista-ARS

Minha Voz Esta no Ar

Curta Nossa Página

Postagem em destaque

Mestre Antonio Luiz e o Reisado de Caretas de Potengi

Nascido aos 21 dias do mês de Setembro de 1957, na cidade de Potengi, estado do Ceará, filho de Luiz Gonzaga de Souza (in memória) e Neuza...

Publicidades

Agressão física ou psicológica, ligue 180!

Comandante Fidel Castro

Idiomas

Edson Veriato na VerdesMares

Meu Bairro Na TV

Meu Canal no You Tube

Arquivo

Popular Posts

Azenka

Azenka
(88)992677434

NOSSA REDE

Edson Veriato, agora é site!!!

Edson Veriato, agora é site!!!
A notícia com credibilidade

Conheça Edson Veriato

Publicidades

CeArt ministra curso de artesanato em crochê e gestão na comunidade da Vila Padre Cícero

 A Associação dos Artesãos de Potengi  em articulação com o Centro de Artesanato do Ceará  (Ceart), vem realizando, na comunidade da Vila Padre Cícero, município de Potengi, cursos para artesãs  e iniciantes residentes no município. No primeiro momento, ocorreu uma visita dos técnicos da Ceart, objetivando fazer um diagnostico do Artesanato, em Potengi, e providenciar a confecção da carteira de artesã.

O Centro de artesanato do estado do Ceará está capacitando artesãs em crochê e gestão. As aulas iniciaram no último dia 19 e seguem até dia 28 de Fevereiro. Ao fim do curso de crochê, os participantes iniciam aulas sobre gestão do negócio e no final receberão certificado.

A mestre em artesanato, Vera,  e a designer, Mariane, da Ceart, ministram o curso para 30 participantes da 13:00hs as 17:00hs, na comunidade da Vila Padre Cícero.

Em destaque ao centro, a mestre em artesanato, Vera.

A técnica da Ceart Cariri, Ivone Moraes, fala da importância do curso. " Os cursos que realizamos em parceria com as associações de artesãos são muito proveitosos. Esses cursos são importantes, pois podemos emitir a carteira de artesão para os participantes e já sendo  uma profissão reconhecida por lei, possibilita aos mesmos  se organizarem melhor e requerer direitos," ressaltou.
O curso de crochê está reunindo participantes que já atuam com o artesanato e outras que ainda não conhecem a técnica manual. "A idéia é que, os que já trabalham com isso possam se renovar e aperfeiçoar o trabalho, enquanto as outras poderão aprender o novo ofício. O objetivo é organizar todos os artesãos do município na Associação e na  CeArt permitindo  que, no futuro, as peças produzidas pelos artesãos possam ser comercializadas nas lojas da Central.”, destacou o coordenador  da Associação dos Artesãos de Potengi, Edson Veriato.
Nesta quarta feira(21) a Mestre e artesã, dona Zefinha, que hoje é uma referencia no município em artesanato de renda em birro, visitou os participantes do curso.
A CeArt Cariri através da técnica Ivone Moraes, agradeceu o apoio da  comunidade, Dona Maria de Fátima que cedeu o salão para realização do curso, Cidália e Roberto no apoio com o translado  dos técnicos que ministram o curso!
Atualmente, a jovem Rejane, preside a associação dos artesãos!

Técnicos da Ceart fazem entrega de carteira de artesã a  jovem, Marcilia.

Técnicos da Ceart entregam carteira de artesã a  jovem, Neila.









Da redação!
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor nos avise através do Whatsapp (88) 992677434. Duvidas, criticas ou sugestões também podem ser enviadas em nosso contato WhatsApp!

Associação de Baraúnas reivindica da prefeitura municipal, reforma e ampliação de passagem molhada da comunidade!

A Associação Comunitária das Baraúnas, zona rural do município de Potengi, protocolou neste dia (15) de Fevereiro  na prefeitura municipal ofício direcionada a gestora municipal e o secretário de obra e infra-estrutura reivindicando conserto,reforma e manutenção da passagem molhada que dá acesso a comunidade.



Registre-se. Publique-se. Cumpra-se.



Mais informações em Associação Comunitária de Baraúnas



Fotos da passagem molhada, abaixo!

foto com ferro exposto na passagem molhada da comunidade







Fotos de Cópia do oficio protocolado na prefeitura municipal, abaixo!








Ibitiara Esporte Clube e Desportivo Camisa 10 vence na estreia da Copa São José 2018.

Hoje pela manhã(18/02), a equipe do Ibitiara Esporte Clube venceu a equipe da Baraúnas, aplicando uma sonora goleada de 6 x 0, em manhã inspirada do seu atacante Faberlânio que marcou 5 gols, e completando a goleada Washington marcou também o seu.
A equipe comportou-se bem dentro de campo, e logo no início de jogo mostrou que estava afim de começar o campeonato de pé direito, mas na realidade a goleada se iniciou mesmo foi com uma bela cabeçada de Faberlânio após cobrança de escanteio, onde o atacante se antecipou à zaga no primeiro pau, abrindo assim o marcador, logo após houve um penalty marcado para o Ibitiara Esporte Clube, que Faberlânio converteu, em seguida a equipe deslanchou e conseguiu o placar de 6x0.

Destacar também o meio campista Muriçoca e o atacante Washington, a equipe agora se prepara para o próximo confronto dia 23/02 as 15:30 contra a equipe dos Pau Darco.

A tarde o projeto social Desportivo Camisa 10 do Ibitiara Esporte Clube venceu a Chapada da Torre por 2 x 1 com gols de Hildefram e Matheus. Próximo jogo do Desportivo Camisa 10 sera dia 25/02 contra a equipe da Vila Nova as 13:30.

O presidente do Ibitiara Esporte Clube, Edson Veriato, destaca o futebol coletivo e organização da agremiação dentro de campo.




Reunião entre partidos de oposição define unidade contra a reforma da Previdência

Reunião entre partidos de oposição define unidade contra a reforma da Previdência
Crédito da foto:Mídia Ninja
Em reunião realizada na manhã desta quarta-feira (07), na sede do PDT, em Brasília, dirigentes de partidos de oposição (PSOL, PT, PCdoB, PDT e PSB) debateram a conjuntura política do país e a unidade, no Parlamento, para derrotar a reforma da Previdência, prevista para ser votada, na Câmara, ainda em fevereiro. O PSOL esclarece que, diferentemente do que afirmaram alguns jornais, os debates do encontro não giraram em torno de uma aliança entre os partidos para as eleições presidenciais deste ano e nem de uma frente em defesa do ex-presidente Lula.
O presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, explica que os partidos se comprometeram a atuar num esforço conjunto para garantir a unidade em defesa da democracia e dos direitos dos trabalhadores. O objetivo, conforme definido no encontro, é derrotar a agenda de retrocessos defendida pelo presidente Michel Temer e demais pautas conservadoras.
Medeiros reafirma, ainda, que o partido terá candidatura própria na disputa pela Presidência da República, cujo nome será definido em conferência eleitoral no dia 11 de março. “O PSOL terá candidato próprio e, portanto, não apresentamos, na reunião, nenhuma perspectiva de aliança eleitoral com os partidos presentes. O que discutimos foi a nossa unidade para barrar a reforma da Previdência e outros projetos que ameaçam direitos da população brasileira”.
Além do presidente nacional do partido, também participou, pelo PSOL, o líder da bancada na Câmara, deputado Ivan Valente (SP).
Com informações Psol 50

Associação da comunidade de Sassaré se posiciona contra Alvará de funcionamento cobrado pela Prefeitura Municipal

A Associação da comunidade de Sassaré, zona rural do município de Potengi  se reuniu neste sábado(10) com moradores e sócios. A reunião contou com as presenças dos Jovens Edson Veriato diretor da Assintaf (Associação dos Agricultores Familiares da Comunidade da Vila Padre Cicero), Josinaldo Rodrigues diretor de Jovens do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, o senhor Antônio Cruz presidente da federação das associações e José  Alves Freire presidente da Associação da comunidade de Melosa. 
Na reunião foi feito vários esclarecimento sobre o projeto Paulo Freire, Agro Amigo e Alvará de funcionamento que esta sendo cobrado pela prefeitura. 

Todos os sócios se posicionaram contra a cobrança do alvará de funcionamento, tendo em vista, que as associações mal conseguem se manterem com as  contribuições mensal. 
Em vez da prefeitura criar condições e incentivar as organizações comunitárias, fazem o contrário, criando mais impostos e dificultando a criação e organização das comunidades. Isso é um absurdo e acredito que a cobrança possa ser ilegal, uma vez que para tal cobrança os vereadores teriam que aprovar um projeto de lei autorizando a prefeitura a recolher tal imposto através do Alvará. Então, significa que, se a associação não pagar o alvará que é caro não terá o direito de funcionar? é isso que a atual gestão quer, fechar as associações?  Quer dizer que ate pra se organizar, agora temos que pagar ou pedir autorização a prefeitura? Realmente é difícil e atual administração peca na cobrança. A lei orgânica diz que o município deve incentivar o associativismo através de  criação de associações e dar  condições de organização para as mesmas! "Disse, Edson Veriato".

Para o presidente da Associação da comunidade o Senhor Chico Cazuza, com a cobrança ficará mais difícil por  terem outros compromissos financeiros como contador, manutenção da sede própria  e abastecimento da água que mal dar pra manter e a cobrança vem pra retirar o pouco que a associação arrecada através da contribuição mensal!

Os presidentes José Aves Freire e Antonio Cruz reforçaram que  as associações devem pedir uma explicação aos vereadores e saberem realmente se tem projeto ou não aprovando a cobrança do alvará. Isso por que segundo informações, o Secretario de Agricultura Nicodemos Rodrigues tem afirmado que tal cobrança se deve pela aprovação do projeto de lei , na câmara municipal.

O jovem Josinaldo, aproveitou a oportunidade e convidou todos os presentes para participarem de uma importante reunião com representantes do Agro Amigo, que acontecerá nos próximos dias na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais.





DIA 19 DE FEVEREIRO: FORTALER A MOBILIZAÇÃO EM CADA LOCAL DE TRABALHO


O governo Temer/PMDB tenta a todo custo completar seu plano de ataques à classe trabalhadora para atender os interesses da burguesia.


Depois de, junto com o Congresso Nacional, impor uma reforma trabalhista que significa dar maiores e melhores condições para o Capital seguir com as demissões e a precarização das condições de trabalho, com jornadas flexíveis de acordo com seus interesses, permitindo a redução de direitos e salários, o governo busca agora coroar suas reformas acabando com a Previdência.
Recursos da Previdência desviados, sonegação que já passa de R$ 500 bilhões, dinheiro devido por empresas que, na maioria absoluta, estão ativas, como também várias prefeituras que dão um calote consentido pelo governo aos cofres públicos: essa é a realidade que Temer, a serviço da burguesia, tenta esconder.
A brutalidade contra a classe trabalhadora é tamanha que tentam responsabilizar a longevidade dos trabalhadores para justificar sua proposta de nos fazer trabalhar até morrer.
Aumentar a idade de homens e mulheres para aposentadoria, cortar pensões, arrochar ainda mais os valores pagos das aposentadorias, dificultar ainda mais o acesso aos devidos benefícios previdenciários é a proposta do governo, ou seja, atacar aqueles que pagam regularmente a Previdência e manter impune as grandes empresas caloteiras.
Enquanto o governo e o Congresso Nacional seguem em sua promiscuidade para atender aos interesses da burguesia, os lucros do Capital aumentam e a miséria se espalha para todos os lados: A propaganda dos patrões e do governo se desmancha a cada dia. Eles diziam que sua reforma trabalhista era para garantir empregos, mas a verdade é que o desemprego continua alto e as contratações informais aumentaram.
É para isso que serve a reforma trabalhista dos patrões: diminuir salários e direitos do conjunto dos trabalhadores e continuar com a demissões.
E a reforma da Previdência também cumpre o mesmo objetivo: garantir a continuidade da sonegação das grandes empresas e ao mesmo tempo abrir a porteira para o sistema financeiro impor seus planos de previdência privada.
Enquanto atacam os direitos de quem produz – siderúrgicas, montadoras, autopeças, indústrias químicas e diversos outros ramos da economia – comemoraram os lucros que seguem em alta.
Atacam o direitos, salários e empregos, espalham a miséria: É cada vez maior o número de trabalhadores e suas famílias que estão perdendo até o teto onde moram e indo para rua. Isso tudo é o resultado das ações impostas pelo Capital e de seus governos, que retiram da classe trabalhadora até o básico para sobrevivência.
E em Brasília, Temer governa de acordo com os votos que têm na Câmara dos Deputados para aprovar a reforma da Previdência. Ao ponto de tentar impor a qualquer custo a filha do deputado Roberto Jefferson/PTB como Ministra do Trabalho, a deputada Cristiane Brasil, que , além de ter dado calote trabalhista em trabalhadores que foram seus funcionários no Rio de Janeiro, tem como apoio empresários que fizeram questão de se manifestar “indignados” em relação às ações judicias que recebem por não cumprirem a legislação trabalhista.
CONTRA TUDO ISSO É PRECISO AMPLIAR O MOVIMENTO E CONSTRUIR A GREVE GERAL!
A Intersindical se soma novamente ao calendário nacional de mobilização contra a reforma da Previdência, no próximo dia 19. Nos locais em que estamos, vamos fortalecer as mobilizações e avançar para além de um Dia Nacional de Luta, pois para barrar a implantação da reforma trabalhista dos patrões e impedir a reforma da Previdência é preciso parar a fonte de lucro do Capital, é preciso construir a greve geral.

Com informações Intersindical

PGR pede prisão de Aníbal Gomes por corrupção e lavagem de dinheiro em caso da Lava Jato


O deputado Aníbal Gomes pode ser condenado a 40 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro (Foto: Divulgação)

Samuel Pimentel
A Procuradoria Geral da República (PGR) apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF), nessa segunda-feira, 5, as alegações finais na ação em que a procuradora Raquel Dodge pede a condenação do deputado cearense Aníbal Gomes (MDB) e do engenheiro Luís Carlos Batista Sá por corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro. O caso segue para o relator do ação no Supremo, ministro Edson Fachin.
 
Na ação, o deputado e o engenheiro são acusados de receber R$ 3 milhões como contrapartida por interferências em um contrato da Petrobras em 2008. Raquel Dodge pede a condenação dos réus, sugerindo penas diferentes a ambos: que chega a 40 anos de reclusão, como também a reparação dos danos materiais e morais no valor de R$ 12,1 milhões e a perda do mandato, no caso do parlamentar cearense. Luís Carlos receberia pena total de 24 anos e 6 meses pelos crimes.
 
A denúncia foi apresentada em junho de 2017 e foi recebida por unanimidade pela 2º Turma do STF. Segundo as investigações, o parlamentar e outros envolvidos atuaram para permitir e facilitar a celebração de acordo entre a Petrobras e empresas de praticagem que operavam na Zona Portuária 16, no Rio de Janeiro, com a promessa de pagamento indevido no valor de R$ 800 mil ao então diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa.
 
O serviço de prático é executado por técnicos que orientam os comandantes na navegação e nas manobras dos navios. O contrato foi firmado em 2008 e custou R$ 60,9 milhões à Petrobras.
 
Aníbal se defende
 
Procurado pelo O POVO Online, o deputado federal declarou que tem "certeza" da absolvição no STF. Aníbal se disse tranquilo e espera que a ação seja jugada por Fachin em meados de abril. Sobre o julgamento no Supremo, o parlamentar quer celeridade, pois pretende "concorrer nas eleições limpo".
 
Sobre a decisão da procuradora Raquel Dodge de pedir 40 anos de prisão, ressarcimento e perda de mandato, Aníbal Gomes afirmou que não via a pena com espanto. "Não é demais. Esse é o papel da PGR: acusar. Mas, tenho certeza da minha absolvição; não há fundamentação para pedir minha condenação".

Com informações do O Povo online

Bolsonaro sugere compra de votos pela reforma da Previdência


© VEJA O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ)

Em entrevista nesta segunda-feira (5) ao programa Pânico, da rádio Jovem Pan, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) disse que o “papo dentro do Parlamento” sobre a reforma da Previdência é que “quem votar sim e não levou (sic) nada é otário”. “Tem cara honesto que quer votar até favorável (à reforma), é direito dele, mas que diz que vai votar contra porque não quer a pecha de corrupto.”

Ao exemplificar a relação de “toma lá da cá”, Bolsonaro citou o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB): “É igual o que aconteceu no governo Fernando Henrique Cardoso quando foi votada a PEC da reeleição. Eu pensei em votar favorável, mas quando pintou 200 mil, pagos pelo governo FHC, eu tirei o time fora, votei contra”, afirmou o presidenciável.
A assessoria do Planalto foi procurada, mas não quis comentar as declarações de Bolsonaro.
Por meio de nota, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que nem o seu governo, nem o PSDB se envolveram em casos de compra de votos. Ele disse também que “houve processos na Câmara para comprovar as acusações e o governo deu total apoio às apurações”.
Mais diretamente sobre a entrevista do deputado, FHC disse: “Espanta-me que o deputado, havendo sabido até de valores não tenha denunciado o fato na época e só agora, vinte anos depois, venha com esta conversa.”
com informações do portal MSN

Potengi: Adel realizou seminário para beneficiários do Projeto Paulo Freire na comunidade de Morrinhos!

Associação da comunidade de Morrinhos que tem como presidente o senhor Jorge Rodrigues mobilizou sócios e beneficiários do projeto Paulo Freire nos dias 05 e 06 de Fevereiro do corrente ano para participarem de um seminário dentro do referido projeto.

O seminário foi promovido pela Agência de Desenvolvimento Econômico Local (Adel) através do Governo do estado em parceria com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola - Fida que financia projetos produtivos para famílias que estejam devidamente organizada em associações e que se enquadrem nos critérios do projeto !

A associação de Morrinhos beneficia 40 famílias das comunidades de Morrinhos, Boa Vista, São José, Riacho do Negro, Quinquelere e Lagoa do Saco, todas no município de Potengi.


Projeto esta em execução há mais de 3 anos no município, sendo as primeiras comunidades beneficiadas de Catolé e Carcará.

Maria de Alan, Edson Veriato e Glessio em destaque na foto










Da redação!

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor nos avise através do Whatsapp (88) 992677434. Duvidas, criticas ou sugestões também podem ser enviadas em nosso contato Whatsapp.

Em defesa da água, FAMA vai se contrapor ao Fórum Mundial

FENAE
agua


Com o tema “a água é um direito e não mercadoria”, os principais objetivos do FAMA são construir uma grande aliança de resistência e organizar uma agenda de lutas contra as privatizações e a mercantilização da água. Bem diferente do 8º Fórum Mundial da Água’, organizado pelo Conselho Mundial da Água, formado por corporações, com apoio do governo ilegítimo e golpista de Michel Temer (MDB-SP), que acontece paralelamente, também em Brasília.

“A gente tem chamado o ‘8º Fórum Mundial da Água’ de feira de negócios, porque reunirá empresários, corporações e governantes e funcionará como vitrine internacional para a venda de nossa água e outros bens naturais, como o petróleo e energia, visando apenas o lucro”, explicou o secretário Nacional de Meio Ambiente da CUT, Daniel Gaio.

“A participação da CUT e diversos movimentos sociais, que estão na organização do FAMA, é um processo de resistência contra as diversas formas de privatizações que este governo golpista tem imposto, como a privatização do setor elétrico, do sistema de saneamento e dos postos de fornecimento de energia da Petrobras”, completou Gaio, se referindo ao programa de privatizações e concessões do governo Temer, que envolvem 57 projetos, entre eles, principalmente, a venda de parte da Eletrobrás e da Petrobrás.

O FAMA pretende unificar a luta contra a tentativa das grandes corporações em transformar a água em uma mercadoria, privatizando as reservas e fontes naturais. Tentando transformar este direito em um recurso inalcançável para muitas populações, que, com isso, sofrerão exclusão social, pobreza e se verão envolvidas em conflitos e guerras de todo o tipo.

No FAMA2018 serão debatidos temas centrais de defesa pública e controle social das fontes de água, acesso democrático à água, a luta contra as privatizações dos mananciais, as barragens e em defesa dos povos atingidos, serviços públicos de água e saneamento e as políticas públicas necessárias para o controle social do uso da água e preservação ambiental, que garanta o ciclo natural da água em todo o planeta.

Para os organizadores do FAMA, as políticas públicas de água devem ser debatidas democraticamente com as populações e, em particular, com as comunidades afetadas.

Com esse objetivo, estão sendo criados comitês nacionais e internacionais do FAMA – no Brasil já foram criados comitês em 15 estados. Trata-se de um instrumento estratégico para a luta em defesa da água como direito, e não mercadoria, pela soberania popular e em defesa dos direitos humanos, da natureza e do planeta. O processo de construção dos comitês tem se dado de forma democrática, horizontal e com a capacidade de unir vários movimentos do campo e da cidade, igrejas, universidades, movimento ambientalista, entre outros.

Para o secretário de Meio Ambiente da CUT, a participação organizada de trabalhadores e trabalhadoras no Fórum Alternativo Mundial da Água (FAMA) é um fator determinante para o sucesso da luta.

“A presença organizada dos trabalhadores e das trabalhadoras referencia e organiza a luta de resistência do nosso povo, por melhor saneamento público, por energia para todos e todas com preço justo, por melhores condições de vida e de trabalho. E é essa a luta que a CUT, seus sindicatos e ramos, farão forte e presente no FAMA e na agenda de lutas que nós vamos encapar logo em seguida desta grande atividade”, disse Daniel Gaio.

“A resistência ao golpe tem como elemento chave a construção do FAMA e o FAMA no Brasil é tido como um marco. Nunca conseguimos organizar um FAMA nesta magnitude, como estamos conseguindo agora. É a maior resistência dos povos”, finaliza Daniel.


Fonte: CUT

Municípios podem falir se reforma da Previdência de Temer for aprovada


CUT
 
 


Apesar de não ter conseguido até agora os 308 votos necessários para aprovar a reforma da Previdência, o governo do ilegítimo e golpista Michel Temer (MDB-SP) continua pressionando os deputados a votarem a medida que restringe o acesso à aposentadoria de milhões de brasileiros.

Depois de várias tentativas mal sucedidas, Temer quer votar a reforma na semana de 19 a 23 de fevereiro. Os movimentos sociais e sindical e os parlamentares de oposição estão na linha de frente contra a aprovação desta reforma que, na realidade, significa o fim da aposentadoria, em especial para os mais pobres, que têm emprego sem carteira assinada, contratos de trabalho intermitente, ficam longos períodos desempregados e trabalham no campo.

O fim do pagamento desses benefícios colocará em risco a proteção social dos aposentados e também a economia de centenas de municípios brasileiros, em especial os menores que são praticamente sustentados com os benefícios pagos pelo INSS que incentivam o consumo e ajudam a girar a economia.

A maior fonte de renda de 70% (3.875) dos 5.566 municípios brasileiros são os benefícios pagos pela Previdência Social, que superam, inclusive, os repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), uma espécie de mesada transferida pelo Executivo, como previsto na Constituição. Em muitos casos, o valor dos benefícios previdenciários recebidos pelos aposentados supera até mesmo a Arrecadação total do município, como ocorreu em 2010, quando 82,4% das cidades tiveram Arrecadação inferior ao valor das aposentadorias pagas pelo INSS. Confira mais dados na matéria Reforma da Previdência pode agravar economia dos municípios. 

O efeito da reforma no estado de Sergipe

Um exemplo do estrago que essa reforma pode causar em pequenas cidades é o caso da maioria dos municípios sergipanos. Segundo o economista Luís Moura, do DIEESE/SE, em 54 dos 75 municípios sergipanos, o volume de pagamento de benefícios previdenciários efetuados pelo INSS supera o Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Ou seja, cerca de dois em cada três municípios sergipanos dependem mais da Previdência Social que do FPM. Além disso, em 74,7% dos municípios sergipanos os benefícios ultrapassam a arrecadação previdenciária.

“Isso mostra que a renda dos municípios é extremamente dependente dessas aposentadorias”, ressaltou o economista Luís Moura.

Em Lagarto (SE), por exemplo, os benefícios superam mais de três vezes o que é arrecadado. Dados do Dataprev mostram que o município arrecadou R$ 40.958.192 no ano de 2016, enquanto foram pagos R$ 229.185.158 em benefícios. Desse total, R$ 129.928.425 foram para a população que vive na zona rural. Já o valor do FPM para Lagarto nesse período foi de R$ 35.600.778.

Previdência Rural

Luís Moura lembra ainda que, das 900 mil pessoas ocupadas em algum tipo de atividade formal e informal em Sergipe, 400 mil estão na agricultura familiar. No entanto, elas não têm uma contribuição direta para a Previdência. “Na maioria dos casos, os trabalhadores rurais se aposentam por idade e esse salário mínimo que recebem de aposentadoria gera um mercado de consumo extremamente importante para os municípios. O comércio local depende muito dessas aposentadorias”, ressaltou o economista.

Mesmo com as recentes mudanças na proposta de Temer, os trabalhadores rurais continuam sendo bastante afetados. A advogada e militante do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Bruna Vieira Barbosa, explica que a reforma cria a obrigatoriedade da contribuição mensal individual por cada membro da família durante quinze anos. “Da forma como está, os camponeses não terão condições de arcar com as contribuições mensais de cada membro da família”. A medida atingiria também os pescadores artesanais, quilombolas e indígenas, que são enquadrados como segurados especiais.

Para Bruna, essa obrigatoriedade de contribuição mensal é uma verdadeira negação do direito à aposentadoria para os camponeses. “Hoje no sertão de Sergipe, depois de seis anos de seca, as famílias conseguiram plantar alguma coisa de feijão e milho. Mas imagine a obrigatoriedade de pagar mensalmente, sendo que as produções no campo são sazonais, não são mensais”, completa.

Desesperança

Aos 53 anos, Maria Aparecida da Silva, camponesa do município de Porto da Folha, teria apenas mais dois anos de trabalho pela frente para se aposentar pelas regras atuais. Desde os sete anos trabalhando na roça, hoje dividindo a vida entre a agricultura e atividades domésticas, ela teria que comprovar o período de contribuição se a Reforma da Previdência for aprovada.

“A coisa está feia para o lado dos agricultores, dos mais pobres no geral. Se trabalhar até os 55 anos, na vida que a gente leva, já era puxado, mais difícil vai ser agora, porque vamos ter que contribuir todo mês com o INSS. E como a gente vai buscar isso para pagar, se a gente vive do que planta? Tendo essa reforma – tenho fé em Deus que não vai ser aprovada – do jeito que está a gente perde a esperança. É pra gente morrer e não se aposentar”, lamenta Maria Aparecida. 



Fonte: CUT

Polêmico, projeto propõe flexibilizar regras de adoção de crianças e adolescentes

Iniciativa do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) tem enfrentado críticas. "Às vezes as pessoas querem mudar uma lei que vem dando certo e isso preocupa", disse a deputada estadual Beth Sahão (PT)
Beth Sahão
"A adoção só se coloca quando todas as outras medidas forem esgotadas, e tudo com muito critério e rigor", disse Beth Sahão







São Paulo – Um projeto de lei de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) tem causado preocupação em profissionais, militantes e entidades que defendem os direitos da criança e do adolescente. Trata-se do Projeto de Lei do Senado (PLS) 394/2017, que propõe mudanças nas regras de adoção estabelecidas no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e institui o Estatuto da Adoção.
O tema foi objeto de audiência pública realizada nesta terça-feira (6), na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, proposta pela deputada estadual Beth Sahão (PT). "Às vezes, as pessoas querem mudar uma lei que vem dando certo e isso preocupa. De uma forma bastante surpreendente, ele (senador Randolfe Rodrigues) apresenta um projeto que, além de flexibilizar as regras da adoção, acaba transferindo essa responsabilidade para agentes que podem não ter as mesmas qualificações dos técnicos que atualmente acompanham esse tipo de trabalho”, ponderou a parlamentar nesta terça-feira (6), em entrevista ao jornalista Glauco Faria, na Rádio Brasil Atual.
A deputada, inclusive, se disse surpresa pelo fato de a proposta ter partido de um senador de perfil progressista. Ela explicou que o projeto interfere no trabalho de psicólogos e assistentes sociais que hoje atuam nos fóruns do país em processos de adoção, ao propor que tais funções possam ser exercidas por funcionários das administrações municipais.
“Sem demérito aos profissionais das prefeituras, mas o problema é que muitas vezes eles não estão preparados para lidar com essa realidade, que é uma realidade muito sensível. É preciso ter muito cuidado, zelo. O projeto, como se encontra, e aqueles que têm uma leitura mais minuciosa dele, dizem que isso pode acabar sendo inclusive um facilitador do tráfico de criança”, afirmou.
“Não podemos flexibilizar uma lei que vem dando certo, que não tem nenhum problema. Quando nós temos uma lei que não atende à demanda social, a gente pode mudar. O problema é que o senador está mexendo num ponto que, na nossa opinião e na opinião de quem trabalha cotidianamente nisso, é absolutamente desnecessário.”
Segundo o Movimento pela Proteção Integral de Crianças e Adolescentes, o projeto pode causar uma série de desobrigações às políticas públicas setoriais básicas que deveriam preservar laços familiares. Nesse sentido, Beth Sahão pondera que o Estado também tem responsabilidade em ajudar a mãe a criar o seu filho. “A obrigação de cuidados com a criança e com o adolescente não é só da família, é do Estado também, que precisa prover as condições necessárias sobretudo com relação a medidas protecionistas de forma integral.”
Sahão avalia que existem famílias vulneráveis devido às condições socioeconômicas a que estão expostas, mas não necessariamente desestruturadas. “Devemos fazer todos os esforços para manter os laços afetivos e familiares, essa é a regra básica. A adoção só se coloca quando todas as outras medidas forem esgotadas, e tudo com muito critério e rigor.” 
De acordo com a deputada estadual, o projeto do senador Randolfe Rodrigues permite a interpretação de que até o setor privado poderia acompanhar o processo de adoção, o que seria, na opinião dela, “um desastre total”. A parlamentar disse querer a retirada do projeto, pois entende que a lei atual já é ampla o suficiente para atender uma situação delicada como a da adoção. “É preciso ter muito cuidado, muito zelo, com os olhos bem abertos porque senão a gente pode comprometer de forma irreparável o futuro dessas crianças.” 
Ouça a íntegra da entrevista:
 

Destaques, no YouTube!

Loading...
Creating Website | Johny Template | Mas Template
Direitos reservados © 2011. Edson Veriato - Potengi, verás que um filho teu não foge a luta
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Eu sou brasileiro, filho do Nordeste, Sou cabra da Peste, sou do Ceará